Destoxificação Hepática em Felinos


    O órgãos envolvidos no processo de destoxificação são o fígado (70%), intestino (20% - Funciona como uma grande membrana seletiva que impede a passagem de toxinas, bactérias e grandes moléculas), pele, pulmões e rins.

    Detoxificação hepática é o processo de transformação de substâncias através de reações enzimáticas de oxidação e conjugação, e os felinos tem dificuldade de realizar esse processo pois eles tem uma limitação enzimática.

    A detoxificação ocorre em 2 fases.

    A fase 1 é a fase de biotransformação a fase 2 é a fase de conjugação/eliminação da toxina. Esses processos precisam ocorrer de uma forma sinergica.

    A deficiência nas enzimas de conjugação de destoxificação da fase 2, fazem com que os gatos fiquem mais vulneráveis aos processos de intoxicação ambientais e por medicamentos, por esse motivo devemos tomar muito cuidado com os produtos de limpeza que utilizamos em nossas casas.

    Substâncias que inibem a fase 1 da destoxificação: Mercúrio, cloranfenicol, tetraciclinas, cimetidina, fluoxetina, verapamil, sertalina, chumbo, exotoxinas e endotoxinas.

    Fatores que aceleram a fase 1: Omeoprazol, rifampicina, glicorticóides, barbitúricos, álcool, acetona, fenobarbital, metais pesados, translocações de bactérias intestinais exotoxinas e endotoxinas.

    Os principais nutrientes que otimizam a fase 1 são: Tiamina, riboflavina, nicotinamida, Vit C, Selênio, Magnésio, N- Acetilcisteína e Silimarina.

    Nutracêuticos que inibem a fase 1: Curcumina, piperina e quercitina.

    Fase 2 - Conjugação

    A fase 2 depende de várias reações como sistema glutationa, metilação, glucoronidação, sulfatação, acetilação, e aminoácidos.

    * Os felinos não realizam a glucoronidação sobrecarregando outras enzimas no processo de destoxicação.

    A maior parte do processo de destoxificação hepática nos felinos é realizado pelo sistema glutationa, e as substâncias que estimulam esse sistema são a Cisteína, Glicina, Selênio, Riboflavina, Silimarina e Nicotinamida.

    Fórmula efetiva para estimular o sitema glutationa é Cisteína, Glicina, Selênio (faz a glutationa funcionar), Vita B2, Vita B3.

    Estima-se que 70 -80% do processo de destoxificação nos felinos na fase 2 de conjugação seja dependente do sistema glutationa.

    Quando a glutationa abaixa (GSH), diminui seu percentual no fígado causando lesão nos hepatócitos e dificuldade de destoxificação.

    A enzima glutationa vai fazer o processo de destoxificação ao fazer esse processo ela se oxida se tornando uma glutationa oxidada, quando essa gutationa está oxidada, vem uma outra enzima chamada glutationa redutase (depende de Vit B2 e B3) que vai fazer com que ocorra a regeneração dessa glutationa para sua forma ativa novamente.

    Nutrientes que atuam na sulfatação: Tiamina, Riboflavina, Cianocobalamina, Magnésio, N- Acetilcisteína, Taurina, Metionina e MSM.

    Felinos utilizam com eficiência a sulfatarão como um dos principais fatores para promoverem a destoxificação.

    Níveis aumentados de Gama-Gt indicam deficiência de glutationa.

    Outro processo importante para a destoxificação dos felinos é o sistema de mutilação, que é dependente do SAME.

    O SAME vem de um aminoácido chamado metionina, ela é convertida em SAME, ele é um doador de grupo metil (CH3) que faz metilação (silenciar genes), ele vai atuar na integridade do DNA na síntese do RNA principalmente na produção de neurotransmissores, na integridade dos neurônios, inclusive também na síntese de creatina.

    Na Alemanha SAME é muito utilizado para tratamento de depressão porque ele faz com que ocorra uma metilação em pessoas com polimorfismo que não conseguem metilar (não conseguem produzir SAME de forma adequada), dessa forma esse animal precisa ingerir o SAME diretamente na dieta para tentar burlar esse polimorfismo.

    O SAME além de silenciar genes ele também tem um papel importante na síntese de neurotransmissores e na integridade do DNA e RNA.

    Quando o SAME doa esse grupo metil ele se transforma em um metabolismo tóxico que é a homocisteína (tóxica), que pode se transformar em cisteína que vai resultar na produção da enzima glutationa.

    Por esse motivo é muito importante oferecer o SAME junto com a Vit B6 para fazer com que a homocisteína produza glutationa.

    Colína, Betaína, Ác Fólico e Vit B2 são precursores do SAME, fazem com que a homocisteína seja transformada em metionina e faz uma reciclagem se transformando em SAME. Aumentam a produção endógena do SAME.

    Glicina, Taurina, Ornitina e Arginina são aminoácidos que atuam na conjugação, para um animal com Lipidose.

    Nutrientes que estimulam a acetilação: Ác pantotênico, Vit C, Tiamina, Arginina, Taurina, Glicina e Ornitina.

    Silimarina - Promove a regeneração dos hepatócitos sincronizando-os.

    Spirulina - Alga que atua tanto na fase 1 como na fase 2 é altamente destoxificante.

    Formulação Hepática Felina para Lipidose Hepática nos felinos (via sonda).

    - Colina lipotrófica = 100-200mg/5Kg

    - Nicotinamida (diminui triglicerideos) = 20mg/5Kg

    - Inositol lipotrófico (reduz a gordura) = 40mg/5kg

    - Dl metionina lipotrófica (reduz a gordura) = 50mg/5Kg

    - L-carnitina (queima de gordura) = 200-500 mg/dia/gato (Carrol, 2001)

    - N- acetilcisteína gltationa = 50mg/5Kg

    - Piridoxina (metabolização do AA) = 6mg/5Kg

    - Taurina (biliar e antioxidante) = 140mg/5Kg

    - L- Glicina (glutationa e biliar) = 40mg/5Kg

    - Arginina = 250mg/5Kg

    - Riboflavina (regeneração da glutationa) = 5mg/5kg

    - Selênio quedado (impede a peroxidação lipídica) = 3,5mcg/5Kg

    - SAME (ação lipotrófica e glutationa) = 80mg/5Kg

    - Metil-cobalamina = 50mcg/ 5kg

    - Metil - Fosfato = 70mcg/5kg

    - Zinco = 2mg/%kg

    - Trimetilglicina + 30mg/5Kg

    - Vit K1 = 20mcg/5Kg

    A dieta para um felino com Lipidose precisa ter proteína otimizada (50-65% das calorias), gordura (30-40% das calorias) moderada e o carboidrato restrito sendo (10-20% das calorias).

    Cuidado em oferecer atum para seu peludo, o atum é rico em mercúrio, oferecer atum mais que 2x por semana pode gerar um processo de intoxicação por mercúrio. Escolha sempre o atum com óleo, pois o mercúrio sai no óleo (ele serve como veículo para diminuir a quantidade de mercúrio) e você deve desprezar esse óleo e lavar o atum antes de oferecer para seu peludo. O mercúrio bloqueia as fases da descodificação hepática.

    A quantidade de gordura hepática (esteatose hepática) comum em animais obesos, todo o processo de destoxificação vai ficar comprometido. A insulina é adipogênica e contribui para o acúmulo de gordura hepática interferindo no processo de destoxificação.

    A suplementação com Aginina, Taurina e a Carnitina são fundamentais para reduzir o acúmulo de gordura hepática facilitando o processo de destoxificação. Para diminuir a gordura hepática precisa diminuir a insulina, ou seja, precisamos diminuir a quantidade de carboidratos da dieta desses animais.

    Os felinos tem predisposição em formar Lipidose hepática pois eles tem dificuldade em transformar um composto lipossolúvel em uma substância hidrosolúvel. Então ele tem alta chances de acumular gordura devido a essa dificuldade de metabolização.

    Animais obesos tem mais chances de desenvolverem lípides hepática pois apresentam resistência insulínica que joga gordura para dentro da célula.

    Cuidar do intestino do seu peludo também é muito importante para evitar a intoxicação pois como já disse acima o intestino é responsável por 20% do processo de destoxificação, ele funciona como uma grande membrana seletiva que impede a passagem de toxinas, bactérias e grandes moléculas, a perda da seletividade dessa membrana por uma disbiose ou processo inflamatório permite a entrada um monte de toxinas no sistema imunológico.

    Um gato que não se alimenta, em 3 dias perde a seletividade da membrana, agravando mais o quadro de intoxicação.

    É recomendável a utilização de probióticos (Enteroccus Faecium - bateria em si) e prebióticos (MOS e FOS - alimento para bacteria) para pacientes com hepatopatias e insuficiência renal trazem importantes benefícios para redução da íon amônia que não é absorvida.

    O FOS é fermentado pelas bactérias saldáveis do intestino e vai resultar na produção de ác graxos de cadeia curta, já o MOS é menos fermentado e funciona como um adstringente de bactérias especialmente bactérias como E. Coli e Salmonela, que grudam no MOS estimulando sistema imunológico a produzir anticorpos contra elas, faz um efeito preventivo.

    Dra. Bruna Morales

    CRMVsp 26.313


    FALE CONOSCO: clique aqui.

     

     

    © Animal Natural.                              

     

    contato@animalnatural.com.br                                  

     

     ENDEREÇO: Avenida do Estado 1540, Fundação, São Caetano do Sul, São Paulo. CEP: 09520-150 - Tel: (11) 4224-5139  /  Whatsapp: (11) 9 9610-0031

    • Facebook - Black Circle
    • YouTube - Black Circle
    • Instagram - Black Circle