Obesidade canina e a saúde dos cães


A obesidade canina no Brasil já atinge 40% dos cães. Veja algumas dicas de como colocar seu cão em forma e evitar diversos males.

Disfunções hormonais, solidão e carência também podem ser causas de obesidade nos cães

Ter um corpo com os, popularmente chamados, ‘pneus’ e ver o ponteiro da balança elevar-se rapidamente faz parte da realidade de 44% dos cães dos Estados Unidos, segundo um estudo da Association for Pet Obesity Prevention (Associação para Prevenção da Obesidade em Animais de Estimação). No Brasil, a estimava é que o problema atinja 40% da população canina.

A obesidade corresponde ao excesso de gordura corporal e, nos cães, pode estar associada à falta de atividades físicas, estresse, má alimentação ou disfunções hormonais.

De acordo com estudos, a obesidade em cães é causada, principalmente, pela superalimentação (alimentos com alto teor de gorduras e carboidratos), mas também há outros fatores como as disfunções hormonais, que atingem 25% dos cães, e o estresse, que provoca obesidade em 15% dos cães que passam muito tempos sozinhos ou que têm carência de atenção e, conseqüentemente, consomem alimentos em excesso como alívio de tensão.

O problema é mais comum entre animais adultos e idosos, especialmente entre fêmeas e cães castrados, e pode ser facilmente identificado pelo excesso de gordura ao redor do pescoço ou pelo aparecimento de dobras que não são características da raça.

Complicações

Assim como acontece em seres humanos, nos cães a obesidade provoca problemas na coluna vertebral (especialmente em raças caracterizadas pela coluna mais comprida, como teckel e basset hound) e, por conseqüência, transtornos no aparelho locomotor. Problemas nas articulações também são comuns, assim como agravamento da displasia em cães adultos e idosos e outras complicações, como hérnia e reumatismo, prejudicando o desenvolvimento do animal.

Além disso, o cão com excesso de gordura corporal pode apresentar dificuldades respiratórias, transtornos cutâneos (dentre os quais, eczema), aumento de colesterol, hipertensão e predisposição a diabetes e enfermidades infecciosas, o que diminui o seu tempo de vida.

Avaliação

A obesidade é um risco para a saúde do seu cão (foto: polietileno | Flickr)

Antes de tomar qualquer decisão, é importantíssimo avaliar se, de fato, o cão está obeso, visto que algumas raças são naturalmente mais ‘fofinhas’ que outras. Para tanto, é indispensável que o dono leve seu cão ao veterinário para constatar se o animal está, ou não, obeso.

Contudo, uma dica para saber se o cão está com excesso de gordura é agarrar a pele da região da costela e verificar se há uma dobra muito grossa (o que indica obesidade).

Dicas

Na luta contra a obesidade, é preciso uma mudança nos hábitos dos cães e de seus donos, visto que os animais não ingerem guloseimas por conta própria e dependem exclusivamente de seus proprietários para se alimentar. Diante disso, um dos fatores essenciais para o emagrecimento do cão, sem dúvida, é a consciência do dono, especialmente quando seu melhor amigo pede algo durante as refeições da família.

Outra dica é a prática regular de atividades físicas, como, por exemplo, a caminhada. Veja abaixo outras dicas para colocar seu cão em forma:

  1. Faça com que seu cão pratique exercícios regularmente (caminhadas longas; brincadeiras com bola dentro e fora de casa). Para quem não tem tempo, há excelentes serviços no mercado que realizam – uma ou duas vez por semana – diversas atividades, como trilhas, aulas de natação e até mesmo exercícios com esteira para o cão;

  2. Caso o animal seja castrado, além de praticar atividades físicas, procure um veterinário e solicite uma dieta adequada (uma boa dica são as rações específicas para cães castrados, que são menos calóricas);

  3. Substitua a ração tradicional por alimetação naural da Animal Natural, que contém mais fibras, menos gordura e substâncias de suma importância para o animal.